PSPE
PSPE
05 Fev
Carlos Zorrinho defende que a UE tem de estar na fronteira tecnológica e assumir a liderança nas energias limpas

Carlos Zorrinho defende que a UE tem de estar na fronteira tecnológica e assumir a liderança nas energias limpas

“No mundo global em que hoje vivemos, uma potência económica como a União Europeia tem que estar na fronteira tecnológica em todos os setores e nalguns deles tem que assumir de forma consistente a liderança”, afirmou Carlos Zorrinho ao intervir no debate do Parlamento Europeu no ponto da ordem de trabalhos relativo à aceleração da inovação no domínio das energias limpas.

 

No hemiciclo de Estrasburgo, o deputado considerou que em “face à dependência de abastecimento externo nos combustíveis fósseis e aos compromissos de descarbonização, a transição energética tem que ser um dos setores em que essa liderança se tem que afirmar e para ela têm que ser canalizados recursos, talentos e determinação política”.

 

A transição energética e a inovação limpa constituem, no entender de Carlos Zorrinho, “um novo patamar de resposta na organização da sociedade, que convoca todos os saberes primordiais como a matemática, a física, a química e a biologia e as ciências sociais, mas integra também os desenvolvimentos em termos de produção, transmissão, armazenamento e uso de em energia e de produção, transmissão, armazenamento e uso da informação”. Por outro lado, sublinhou, a transição energética também “promove a sinergia necessária entre a digitalização e a descarbonização, gerando a oportunidade de fazer emerger uma sociedade mais saudável, mais justa e mais desenvolvida”.

 

“A União Europeia partiu à frente mas tem estado a perder vantagem na transição energética. Na mobilidade limpa já foi mesmo ultrapassada por outras potências industriais”, afirmou Carlos Zorrinho para quem o debate travado no PE, deve servir como “mobilizador para um novo impulso de ambição ao serviço dos cidadãos europeus desta e das futuras gerações”.

 
 
 

Inscreva-se e receba notícias dos Socialistas Portugueses no Parlamento Europeu