A Europa dos Direitos Fundamentais

A Europa dos Direitos Fundamentais 19.02.2021

Esta semana no podcast #EsefalássemosdaEuropa? fala-se sobre a Europa dos Direitos, da Liberdade, da Democracia.

 

 

Os jovens e a Europa

Os jovens e a Europa 12.02.2021

Esta semana no podcast #EsefalássemosdaEuropa? fala-se sobre os jovens e a Europa e sobre o que os jovens podem oferecer à Europa.

 

 

Não aprendemos nada com o passado?

Não aprendemos nada com o passado? 11.02.2021

A questão foi levantada por Pedro Marques na sessão plenária de Bruxelas. Ao intervir sobre no debate sobre a Diretiva de Mercados de Instrumentos Financeiros (MiFID, na sigla em inglês), o deputado disse que “esta reforma tornou-se perigosa” e como tal, o Grupo dos Socialista e Democratas (S&D) “não a apoia, mas ainda esperamos que uma revisão estrutural equilibrada do MiFID surja este ano.” Pedro Marques lamentou que o Parlamento Europeu não tenha chegado a uma solução equilibrada.

 

 

Celeridade e justiça no Ruanda

Celeridade e justiça no Ruanda 11.02.2021

É preciso que o Ruanda permita que “a justiça funcione, num patamar compatível com a maturidade e a estabilidade alcançadas num país tão martirizado por um genocídio inesquecível no final do século passado”, afirmou Carlos Zorrinho na sessão plenária de Bruxelas. O deputado lançou um apelo às autoridades ruandesas para resolverem o caso de Paul Rusesabagina “com celeridade, transparência e justiça” e também que lhe seja dado “acesso aos serviços consulares belgas, país da União Europeia do qual é nacional, acesso aos cuidados medicamentosos de que depende, e acesso a um advogado por ele designado para o apoiar na sua defesa”.

 

 

Eleições presidenciais no Uganda foram um mau exemplo

Eleições presidenciais no Uganda foram um mau exemplo 11.02.2021

Carlos Zorrinho, Presidente da Assembleia Parlamentar paritária ACP/UE, considera que “as eleições presidenciais no Uganda foram um mau exemplo do que devem ser os processos políticos transparentes e justos”. Os observadores internacionais “foram impedidos de exercer a sua missão”, num quadro em que “a violência foi usada e abusada para condicionar o debate, a participação e as escolhas eleitorais”, e a “liberdade de expressão foi violada”, descreveu o deputado.