Europa não pode ser cúmplice de verdadeiros crimes

Europa não pode ser cúmplice de verdadeiros crimes

12.02.2020

Isabel Santos apelou a ação das instituições europeias para acudir aos refugiados e migrantes que estão em campos à porta da Europa. “A nossa inquietude não pode equivaler nem a silêncio nem a inação, a Europa e as nossas instituições não podem ser cúmplices daquilo que constituem verdadeiros crimes”, disse.

A deputada visitou, durante uma missão do Parlamento, diversos campos de refugiados na fronteira entre a Croácia e a Bósnia. “Ali tive oportunidade de testemunhar e ouvir os mais dramáticos relatos sobre o tratamento violento, degradante e desumano dispensado pela polícia croata a pessoas que só procuram uma oportunidade para melhorar as suas vidas acabando, muitas vezes, na sua morte”, descreveu.

“Na Bósnia pudemos contactar com inúmeros migrantes e refugiados, entre estes destaco os jovens não acompanhados a viver, como os outros, em condições a que ninguém devia ser submetido, muito menos nestas idades, diversos deles à espera de poderem reunir-se com familiares a viverem na Europa”, prosseguiu, tendo no final da intervenção, “e para não ferir sensibilidades”, entregue na mesa da presidência da sessão plenária fotografias chocantes da visita dos deputados.

“Prevê a instituição de canais legais expeditos nomeadamente através de vistos humanitários, mas também, de estudo, trabalho e reunificação familiar”, questionou Isabel Santos a Comissária, presente no hemiciclo de Estrasburgo.