Sara Cerdas apela à Comissão Europeia distribuição da vacina sem atrasos para a Madeira

Sara Cerdas apela à Comissão Europeia distribuição da vacina sem atrasos para a Madeira

12.01.2021

A deputada está preocupada com os possíveis atrasos que possam ocorrer na distribuição da vacina contra a COVID-19 para a Região Autónoma da Madeira. Em causa está o primeiro atraso, de dois dias, na entrega da vacina, que decorreu na distribuição do primeiro lote para a região e cuja responsabilidade era da farmacêutica Pfizer. Sara Cerdas pretende saber junto da Comissão Europeia como está a preparar-se e a antecipar a resposta a possíveis novos constrangimentos no processo de entrega da vacina.
 
Sara Cerdas questiona se os cancelamentos que têm ocorrido, resultado da pandemia e em consequência do número reduzido de passageiros em viagem, poderão “atrasar a distribuição de vacinas nestas regiões”.

“Os atrasos colocam a nossa região em desvantagem no combate à COVID-19, especialmente devido à nossa insularidade e dependência de transportes aéreos. A Comissão Europeia deve estar a par destes aspetos operacionais, alocados às indústrias farmacêuticas e empresas de logística, e preparar-se em conformidade para responder a situações similares, para que a distribuição da vacina decorra de forma célere e justa em todos os países e regiões da União Europeia”, argumenta a deputada.
 
“A imunidade de grupo é um objetivo comum, e tendo em conta a distribuição da vacina da farmacêutica Moderna, apelo à Comissão Europeia uma especial atenção aos constrangimentos associados às regiões ultraperiféricas, nomeadamente a falta de alternativas de ligação com a placa continental - e assim espero uma resposta que considere as suas necessidades, que salvaguarde a saúde e o bem estar dos nossos cidadãos”, sustenta.

Na Comissão de Saúde Pública, Segurança Alimentar e Ambiente (ENVI), durante uma audição com Sandra Galina, Diretora-Geral da DG SANTE, Sara Cerdas questionou acerca dos atrasos na distribuição das vacinas, tendo a responsável informado que a Comissão Europeia já requereu aos Estados-membros um relatório acerca das anomalias no processo de distribuição de vacinas.